Galo FA

O início 

A origem do Eagles remonta ao ano de 2002, quando alguns amigos se encontravam em acampamentos da Igreja Batista Getsêmani, de Belo Horizonte, e realizavam ‘peladas’ de futebol americano. Em 2009 é criado, por Walter Mosca e Nicholas Marques, o Get Eagles, mas só em  2014 o time começou a ser levado a sério. 

A primeira partida do BH Eagles aconteceu no dia 17 de outubro de 2015, pouco menos de um ano após sua fundação contra o Nova Friburgo Yetis. Estima-se que cerca de 2.500 pessoas foram ao Sesc Venda Nova assistir a partida, que terminou 32 a 3 para o Yetis. No jogo de volta, que aconteceu no dia 21 de novembro, o Yetis venceu mais uma vez, 28 a 12.  

O primeiro título 

Em fevereiro de 2016, o BH Eagles viajou para Huixquilucan, México, para disputar a II Copa América de Futebol Americano. Na estreia, os mineiros perderam para os mexicanos do Leones de la Anáhuac por 26 a 14. Na sequência, venceram os romenos do Cluj Crusaders e os colombianos do Titanes de Cali. Na semifinal, o Eagles enfrentou outro time brasileiro, o Challengers, mas graças a expulsão dos outros dois times mexicanos por indisciplina, a partida entre os brasileiros se tornou a final, vencida pelo Eagles por 13 a 0.  

O primeiro campeonato mineiro 

Em março de 2016, o Eagles disputou o Campeonato Mineiros e iniciou sua jornada em torneios oficiais no Brasil. A estreia na competição aconteceu na Arena Independência contra o Minas Locomotiva e foi histórico, não por ser o primeiro jogo em um grande estádio do estado, mas, principalmente, por ter sido o primeiro jogo da maior rivalidade de Minas Gerais. 

Diante de 5.634 pessoas, o Locomotiva começou dominando todas as ações e marcou três touchdowns no primeiro quarto. A bola começou com o Eagles, mas um fumble no primeiro snap deixou o Locomotiva na redzone adversária. Dois snaps depois, o quarterback Gabriel Tordoya lançou para Juliano Faria abrir o placar. A defesa do Minas entrou em campo e rapidamente forçou o punt, deixando Tordoya e cia na linha de 37 jardas da defesa. O touchdown veio logo no primeiro snap, o agora running back Abraão Coelho correu 48 jardas, praticamente sem ser tocado e só parou na end zone. 

Após o baque inicial, o Eagles conseguiu avançar e fazer boas jogadas, mas o quarterback Álvaro Fadini se precipitou e foi interceptado pelo cornerback Matheus Lisboa, que conseguiu retornar para o touchdown. O Eagles equilibrou a partida e chegou ao field goal e a um touchdown após uma corrida de 30 jardas do Fadini, indo para o intervalo perdendo por 21 a 10. 

O Locomotiva voltou para o terceiro quarto abusando do jogo corrido e conseguiu marcar mais um touchdown com Thiago Paranhos. O Eagles voltou a diminuir a diferença com mais um touchdown corrido do Fadini e pressionou o Minas no último quarto com um touchdown corrido do Nascimento, deixando a partida em 27 a 24. Pressionado, o Locomotiva voltou a abusar das corridas e teve o resultado esperado, Abraão entrou mais uma vez na redzone e garantiu a vitória por 34 a 24. 

A segunda partida foi contra o Timóteo Titans, que saiu na frente com um touchdown do wide receiver Davison Wilker “Sagat”, que mais tarde faria história pelo Eagles. A resposta do time da capital veio com uma sólida campanha liderada pelo quarterback Álvaro Fadini, que empatou com uma corrida. A defesa cresceu no segundo quarto e o ataque correspondeu com mais um touchdown do Fadini e outro do wide receiver João Conrado, 21 a 7 no final do primeiro tempo. 

No segundo tempo, a defesa do Titans melhorou, com destaque para Marco Túlio, o Tuleba, outro nome que entrou para a história do Eagles. Com as defesas dominando, a única pontuação do segundo tempo aconteceu após Fadini lançar para o wide receiver Daniel Elen, que deixou quatro marcadores para trás em uma corrida de 29 jardas, fechar o placar, Eagles 27 a 7 e classificado para os playoffs. 

Nos playoffs, enfrentou o Pouso Alegre Gladiadores no Sul de Minas e saiu na frente com um passe de Fadini. Na sequência, o ataque do Gladiadores, liderado pelo experiente quarterback americano KC Frost, chegou a end zone com o wide receiver Baiano, deixando a partida em 7 a 6 após o erro do extra point. As defesas estavam se sobressaindo e os ataques pouco produziram no restante da partida. A vantagem do Eagles foi aumentada com um field goal e um safety, finalizando a partida em 12 a 6 para o time da capital. 

O Minas Bowl 2016 

O Minas Bowl aconteceu no dia 18 de junho de 2016 e entrou para a história do futebol americano brasileiro com um público de 8.720 pessoas, um dos maiores da história. Diferente do último encontro entre as duas equipes, o Eagles começou melhor. A defesa conseguiu forçar um 3&out e deixou o ataque em ótima posição de campo. O ataque avançou bem, mas foi parado na linha de 2 jardas pela forte defesa do Locomotiva. O kicker Chaw acertou o field goal. Com muitos erros e faltas de ambos os lados, o placar permaneceu inalterado até o final do segundo quarto, quando o Eagles conseguiu forçar um safety. No drive seguinte, Fadini liderou o ataque do Eagles e conseguiu o wide receiver João Pedro Conrado na end zone, 12 a 0. 

A defesa do Locomotiva voltou melhor e sacou Fadini duas vezes no primeiro drive, que precisou devolver a bola. Após o punt, o Locomotiva iniciou a sua campanha na linha de 40 jardas do ataque e chegou ao touchdown com Abraão. Fadini voltou a liderar uma boa campanha e foi parado pela segunda vez na linha de 1 jarda, após sofrer um fumble. Logo na sequência, a defesa do Eagles forçou mais um safety e o ataque foi parado mais uma vez na redzone pela defesa do Locomotiva. Chaw converteu mais um field goal, 17 a 6 para o Eagles. 

A virada parecia improvável, principalmente após a contusão do quarterback Gabriel Tordoya, mas o Locomotiva correu atrás da desvantagem. Maycon Dacazza entrou e foi interceptado logo no seu primeiro drive, mas graças a mais uma boa atuação da defesa, o quarterback pode se redimir. Com passes curtos para o wide receiver Victor Vilaça e boas corridas dos seus running backs, o Minas chegou na redzone e Dacazza correu 13 jardas até a end zone para o touchdown, seguido de uma conversão de dois pontos em mais uma corrida do quarterback, 17 a 14. 

A defesa do Locomotiva fez a diferença mais uma vez e não deixou o ataque do Eagles avançar. Após um bom retorno de punto do Chamone, o Locomotiva iniciou sua campanha na linha de 46 jardas da defesa. Com pouco tempo no relógio, o time precisava avançar rápido e chegou próximo do first down com uma corrida do Abraão. Segunda descida para 3 jardas na linha de 47 jardas do ataque, Dacazza optou por um passe curto para Vilaça, que escorregou, levantou, acelerou e virou a partida, 21 a 17. 

Com pouco tempo no relógio e precisando marcar um touchdown, Fadini conseguiu levar o Eagles até o meio de campo, mas nesse momento a defesa do Locomotiva entrou em ação com mais um sack e uma interceptação do defensive linemen Brandão, que foi parado na linha de 1 jarda, decretando a vitória do Minas Locomotiva por 21 a 17. 

A Liga Nacional de 2016 

O próximo desafio do Eagles era a disputa da Liga Nacional, divisão de acesso para a elite do esporte nacional. A estreia aconteceu no dia 23 de julho e o Eagles recebeu o Uberlândia Lobos. O começo da partida foi marcado por faltas, erros de ambas as equipes e um vento muito forte, que dificultou a vida de todos. A primeira pontuação da partida saiu após um retorno de punt do Eagles. No drive seguinte, o Lobos conseguiu avançar bem, mas seu quarterback foi interceptado e o Eagles não desperdiçou, 14 a 0 após belo passe do Fadini. O domínio do Eagles aumentou e o time venceu a partida por 35 a 3. 

Na segunda partida, o adversário foi o Mooca Destroyers, que não foi páreo para o forte ataque do Eagles. O time de São Paulo saiu na frente com um field goal, mas o Eagles virou com o running back Rafael Fadini e aumentou com um belo passe do quarterback Álvaro Fadini para o wide receiver Conrado. No segundo quarto, Rafael correu mais de 71 jardas para aumentar a vantagem. Ainda no segundo quarto, a defesa do Eagles forçou um fumble e deixou o ataque na linha de 25 jardas do ataque, que não desperdiçou a oportunidade e anotou mais um touchdown com Conrado, seguido de uma conversão de dois pontos. 

No terceiro quarto, o Mooca diminuiu a vantagem com o fullback Giba, logo após o time paulista recuperar a posso por causa de um erro do retornador do Eagles. Na sequência, Álvaro liderou uma campanha relâmpago e chegou a mais um touchdown com Rafa Fadini, seguido de mais uma conversão de dois pontos. No primeiro snap do último quarto, Álvaro fez um belo passe de aproximadamente 70 jardas para o wide Sagat, que só parou na end zone. No final, o Mooca acertou mais um field goal e o Eagles fechou o placar com mais dois touchdowns do Conrado, fechando em 58 a 13. 

Nas duas últimas partidas da fase grupos, o Eagles viajou para o Triângulo Mineiro e derrotou com facilidade o Uberlândia Lobos por 46 a 12 e o Uberaba Zebus por 84 a 0, classificando para os playoffs. 

A classificação para a elite 

O jogo contra a Ponte Preta Gorilas valia a vaga na elite e o Eagles não deixou a chance escapar. As defesas dominaram as ações e os ataque produziram pouco. No segundo quarto, Álvaro foi interceptado, mas a defesa do Eagles se recuperou, levando o time da Ponte Preta a arriscar um field goal longo, sem sucesso. No final do primeiro tempo, Álvaro entrou Conrado livre na end zone para abrir o placar. No terceiro quarto, Ryan Gomes aumentou a diferença com uma bela pick six, 14 a 0. No final da partida, o Gorilas esboçou uma reação após o touchdown do Júnior Marafelli, mas era tarde demais. 

O Santa Maria Soldiers começou melhor no ataque, mas o kicker Maurício Faé desperdiçou um field goal fez diferença no final da partida. No drive seguinte, Álvaro tentou um shovel pass e foi interceptado, no retorno, o defensor do Soldiers deixou o time gaúcho em ótima posição. Na linha de 31 jardas, o ataque do Soldiers precisou de quatro corridas para abrir o placar com o running back João Siqueira. Mas a felicidade dos visitantes não durou muito, Álvaro passou para Sagat, que fez uma receptação de aproximadamente 40 jardas e deixou o time mineiro no ataque. Alguns snaps depois, Álvaro passou novamente para Sagat virar a partida. 

Com as duas defesas pressionando muito, o placar só foi alterado no terceiro quarto após um field goal do Soldiers. No drive seguinte, que mais se pareceu uma repetição do primeiro touchdown, Álvaro encontrou Sagat livre e dessa vez o wide só parou na end zone, 14 a 9. No último quarto, o Soldiers partiu para cima, mas a defesa do Eagles cedeu apenas um field goal, garantindo a vitória e a classificação do Eagles para a final. 

O primeiro título nacional 

Na final da Liga Nacional, o Eagles enfrentou o Sinop Coyotes na Arena Independência e não decepcionou o público presente. O time mineiro começou ousando, o time conseguiu acertar um onside kick e no snap seguinte Álvaro Fadini acertou um passe de 57 jardas para Sagat abrir o placar. Alguns snaps depois, o quarterback Ricardo Bonadimann foi forçado pela defesa do Eagles e acabou lançando a bola no colo de um defensor mineiro. Na sequência, bastou Fadini correr 15 jardas para aumentar a vantagem. No segundo quarto, o kicker Chaw acertou um field goal e o Sinop conseguiu diminuir a desvantagem com um touchdown do running back americano Orrin D. Peterson, 17 a 7 no primeiro tempo. 

No terceiro quarto, o Sinop começou sofrendo um safety após um punt do Eagles. Na sequência da partida, os irmãos Fadini dominaram a partida, foram dois touchdowns do Álvaro e um do Rafael, sacramentando a vitória do Eagles por 39 a 7. 

Parceria com o Cruzeiro E. C. e a Copa Minas 

No dia 9 de março de 2017, o Eagles anunciou uma parceria com o Cruzeiro E. C. e a Sada Transportes, dando origem ao Sada Cruzeiro Futebol Americano. A estreia do “novo” time deveria acontecer no Campeonato Mineiro, mas foi adiada após a saída do Pouso Alegre Gladiadores e Minas Locomotiva. 

O primeiro jogo aconteceu no dia 2 de abril contra o Juiz de Fora Imperadores, partida válida pela Copa Minas, torneio organizado pela FEMFA para substituir o Campeonato Mineiro. O jogo começou com o Sada pressionando e marcando seu primeiro touchdown com Rafa Fadini logo nos primeiros minutos. Liderado pelo experiente quarterback KC Frost, o ataque do Imperadores avançou correndo e se aproveitando das faltas do Sada, até entrar na end zone com uma corrida do running back Cabeça. 

Na campanha seguinte, Álvaro recebeu um snap ruim, recuperou a bola na end zone e acabou cometendo um safety após o intentional ground. Na sequência, foi a vez do Sada forçar um safety e voltar a liderança. Ainda no primeiro quarto, Álvaro fez um passe curto para o wide receiver Pedro Henrique Médici, que driblou quatro jogadores e aumentou a diferença, e Chaw acertou um field goal, 19 a 8. No segundo tempo, o jogo ficou equilibrado e o placar só foi alterado no fim com um belo touchdown do Sagar, finalizando a partida em 26 a 8. 

Na segunda partida, o Sada não tomou  conhecimento do jovem Betil Bulldogs e venceu por 109 a 0, com touchdowns do Médici, Danilson (2x), Victor Mega, Sagat (2x), João Pedro Conrado, Kikito, Maycon Dacaza (3x), Moreno, Raymen, Saulo e Luiz Guilherme Nascimento. Nas semifinais, recebeu o Araxá Red Wolves e venceu com facilidade, 76 a 6, classificando-se para a final da Copa Minas 

Na final, o adversário foi o Juiz de Fora Imperadores, mas ao contrário da primeira partida o Sada Cruzeiro não deu chances para o time da Zona da Mata. Logo no início, o Imperadores sofreu um fumble na end zone e Tuleba recuperou para o touchdown, e o kicker Protásio acertou um field goal. No segundo quarto, Álvaro correu para dois touchdowns e lançou para outro do Victor Hugo “Mega”, indo para o intervalo com uma vantagem de 34 pontos. No segundo tempo, o running back Moreno, o wide receiver Mega e o quarterback Maycon Dacazza fecharam o placar, 57 a 0, dando mais um título ao Sada Cruzeiro. 

A conquista da BFA 

Na estreia da BFA, a elite do futebol americano nacional, o Sada Cruzeiro enfrentou o Minas Locomotiva e dominou seu adversário por completo. Não demorou muito para o quarterback Álvaro lançar o primeiro passe para Conrado abrir o placar. Na primeira campanha do Minas Locomotiva, o quarterback Abraão foi interceptado pelo Rapha Cruz. Com o ataque de volta ao campo, Álvaro correu 10 jardas e aumentou a vantagem. Ainda no primeiro quarto, Rodolfo Santos bloqueou um punt do Locomotiva e retornou para o touchdown. No restante do primeiro tempo, o Minas equilibrou as ações na defesa, mas o ataque continuou ineficiente. 

No terceiro quarto, Álvaro foi interceptado pelo cornerback Matheus Lisboa, mas o Locomotiva sofreu um fumble na sequência. Em boa posição, Álvaro passou para Medici aumentar a vantagem. Pouco tempo depois, mais um fumble do Locomotiva e mais um passe de Álvaro para Medici na end zone. No último quarto, Álvaro fechou o placar com um passe para o americano Clinton Greenway, 42 a 0. 

Na segunda partida, recebeu o Flamengo Imperadores e teve um pouco mais de trabalho. O jogo começou com os quarterbacks cedendo turnovers, graças ao bom trabalho das defesas, que anularam os passes nos primeiros minutos. Se pelo ar as jogadas não estavam acontecendo, o Sada começou a utilizar o running back Well Garcia, que foi o MVP ofensivo da temporada de 2016 da Superliga Nacional, quando ainda atuava pelo T-Rex. O running back conseguiu bons avanços e chegou até a end zone em uma jogada que começou com um bad snap. Antes do intervalo, Fadini conseguiu furar o bloqueio aéreo  e passou para Medici marcar o touchdown, 14 a 0. 

No início do terceiro quarto, o quarterback Vitor Paiva foi interceptado pela segunda vez por Ryan David, que deixou o ataque cruzeirense em ótima posição para o field goal. No último quarto, o Flamengo diminuiu a desvantagem com o tight end Felipe “Cebola”. No final, Chaw acertou mais um field goal e o receiver Mega anotou mais um touchdown, 26 a 7 para o Sada. 

A terceira partida aconteceu em Santos e mesmo sem uma arbitragem licenciada, que acarretou na expulsão do mandante da competição, o Sada não teve dificuldades para derrotar o Santos Tsunami por 58 a 0. Semanas depois, o time mineiro voltou para o estado de São Paulo e derrotou o Corinthians Steamrollers por 42 a 0, com destaque para a atuação do Álvaro, que correu para dois touchdowns, e do americano Clinton, que interceptou o quarterback corintiano em duas oportunidades. 

O jogo contra o Patriotas era um dos mais aguardados do ano. O time carioca era um dos cotados a bater o forte Sada, mas o time mineiro não encontrou muitas dificuldades para atropelar seu adversário. As defesas trabalharam bem nas duas primeiras campanhas, mas o ataque do Sada se sobressaiu na terceira e abriu o placar com um passe de Álvaro para Clinton. O Patriotas até tentava avançar, mas a defesa cruzeirense não cedia muito. Após uma rápida campanha, Álvaro encontrou Sagat na end zone para ampliar a diferença. No segundo quarto, foi a vez do Mega receber um passe do Álvaro para o touchdown, 21 a 0. 

No terceiro quarto, o Sada Cruzeiro iniciou com um onside kick e Álvaro, após um flea flicker bem executado, encontrou Mega livre para anotar o touchdown. Com a defesa evitando os avanços dos cariocas, o Sada chegou a mais um touchdown terrestre com Clinton, que logo a sequência anotou mais um touchdown, dessa vez após interceptar o quarterback Daniel Gazelle. Para fechar o placar, o quarterback reserva do Sada, Maycon Dacazza, correu para mais um touchdown, 48 a 0 Sada Cruzeiro. 

Nos playoffs, o Sada Cruzeiro enfrentou o Botafogo Reptiles e marcou logo no seu primeiro drive com uma corrida curta do americano Clinton Greenway. O Botafogo reagiu e conseguiu chegar até a red zone mineira, mas o quarterback Mamão foi interceptado pelo safety Rodolfo Santos. No segundo quarto, Álvaro foi interceptado pelo defensive back Loan Felisardo, mas o ataque carioca não conseguiu capitalizar o turnover. Antes do intervalo, Clinton marcou mais um touchdown, agora em um retorno de punt de 65 jardas, 13 a 0. 

A defesa do Reptiles conseguiu parar o ataque cruzeirense, mas na sequência Mamão foi interceptado mais uma vez, agora pelo Rapha Cruz. No último quarto, o Sada ampliou a vantagem com Rafa Fadini, após receber um toss do seu irmão, Mega, que recebeu um passe do wide receiver Medici, e Álvaro em QB sneak. O Botafogo diminuiu com Gabriel. Final 33 a 6 para o Sada. 

Na final da Conferência Sudeste, o Sada recebeu o Tritões, que foi um adversário a altura. O time capixaba começou no ataque, que durou pouco graças a interceptação do Ryan David para o touchdown. Após o susto inicial, as defesas dominaram o primeiro quarto e impediram os ataques de pontuarem. O Tritões chegou ao empate com o linebacker Novatinho, que interceptou Álvaro e retornou para o touchdown. Antes do intervalo, Álvaro quebrou muitos tackles e correu 35 jardas até a end zone, 14 a 7. 

No terceiro quarto, o Tritões bloqueou um field goal do Chaw, mas o ataque capixaba continuava sem conseguir grandes avanços. O placar voltou a ser alterado no último quarto após Álvaro encontrar Mega livre na end zone. No desespero, o Tritões colocou o running back americano LaParish Lewis como quarterback, o que não adiantou muito, já que a defesa mineira anulou todas as tentativas. Final de jogo, 21 a 7 para o Sada. 

Na semifinal nacional, o Sada Cruzeiro precisou viajar para Curitiba e enfrentou seu maior desafio. O Coritiba Crocodiles iniciou o jogo com um kickoff fraco e que surpreendeu o time celeste. Com a posse da bola, o Crocodiles teve a chance de abrir o placar, mas o kicker Leonardo Rabello errou um field goal teoricamente fácil. Na jogada seguinte, a forte defesa curitibana forçou um raro 3&out e Álvaro foi para o punt. Alguns drives depois, o Cruzeiro chegou a end zone, mas uma falta anulou a jogada, que se encerrou em um raro field goal perdido por Chaw. 

O jogo continuou truncado no segundo quarto e o placar saiu do zero após o quarterback americano Drew Banks encontrar o wide receiver Adan Rodriguez “Ocho Nueve” na end zone, jogada viabilizada pelo defensive end Delmer Zoschke, que correu para o first down em uma quarta descida. Pela primeira vez pressionado na temporada, o Sada Cruzeiro não conseguia encaixar boas jogadas e constantemente precisava puntear. O Croco teve a chance de aumentar a diferença, mas o kicker Leonardo Rabello errou outro field goal. 

No começo do terceiro quarto, o Crocodiles conseguiu bons avanços com o running back Lucas “Mullet” Nascimento e conseguiu seu primeiro field goal, 10 a 0. A defesa do Crocodiles continuou pressionando Álvaro e obrigando o quarterback a devolver a bola. No último quarto, o Crocodiles tentou uma trick play e Mullet acabou sendo interceptado, que foi seguido por um field goal do Chaw. O jogo se aproximava do fim e o Cruzeiro estava no ataque, mas não conseguia entrar na end zone pelo alto, por isso resolveu resolver com as próprias pernas e empatar a partida. Com menos de dois minutos para o fim da partida, a defesa do time mineiro resolveu aparecer e forçou um fumble, recuperado e retornado por Rodolfo Santos. O Crocodiles ainda tinha mais uma posse, mas Drew Banks sofreu outro fumble e garantiu a vitória do Sada Cruzeiro por 17 a 10. 

O Brasil Bowl 2017 

O Sada Cruzeiro chegou no Brasil Bowl invicto e o adversário era o João Pessoa Espectros, também invicto na competição. O jogo começou com as defesas anulando os ataques e a primeira grande campanha ofensiva foi do Espectros, que desperdiçou um field goal de 47 jardas. Logo no primeiro snap da campanha seguinte, Álvaro fez um flea flicker com o running back Moreno e acertou um passe de 71 jardas para Sagat, que entrou na end zone sem ser tocado. 

No segundo quarto, o quarterback Rodrigo Dantas foi interceptado por Clinton Greenway, que deixou o ataque do Sada na linha de 48 jardas do campo de defesa. Álvaro não desperdiçou a oportunidade e fez um passe de 38 jardas para Mega aumentar a vantagem. No drive seguinte, Dantas foi interceptado pela segunda vez, agora pelo safety Andrew Bernardini, que deixou o ataque celeste na red zone. Sem conseguir avançar, o Sada foi para o field goal de 34 jardas, convertido por Chaw. No final do segundo quarto, os turnovers voltaram a assombrar o Espectros, dessa vez o linebacker Igor Mota bloqueou um punt e recuperou a bola na linha de 4 jardas, facilmente convertido em touchdown por Álvaro. Na última jogada do primeiro tempo, Dantas foi interceptado mais uma vez, agora pelo wide receiver Mega. 

Os Espectros voltou melhor do intervalo e conseguiu diminuir a desvantagem com dois field goals do kicker Diego Aranha. No começo do último quarto, Dantas sofreu um fumble e Chaw errou um field goal longo na sequência. Pouco depois, Dantas fez bom passe para o americano Callus Cox, que entrou na end zone e colocou fogo na partida, 23 a 13 para o Sada. Na jogada que poderia sacramentar o título do Cruzeiro, Álvaro correu livre pelo meio e estava prestes a marcar um touchdown de 78 jardas, mas foi parado na linha de 1 jarda por Callus Cox, que forçou o fumble e recuperou  a posse para o Espectros. Alguns snaps depois, Dantas foi interceptado pela última vez pelo defensive back Michel e Fadini capitalizou mais um turnover com Mega, colocando um ponto final na partida. 

A parceria com o Atlético-MG e o bicampeonato mineir

Após a campanha vitoriosa de 2017, a parceria entre Sada Eagles e Cruzeiro E. C. não foi mantida. A nova diretoria do time Celeste resolveu não renovar o contrato e firmou nova parceria com o Juiz de Fora Imperadores, criando o Cruzeiro Imperadores. A diretoria do Sada Eagles não demorou muito para fechar outra parceria, dessa vez com o Atlético-MG, arquirrival do Cruzeiro. 

O ano começou com a disputa do Campeonato Mineiro e o atual campeão nacional venceu com facilidade o Nova Serrana Forgeds (82 a 7), Piratas da Serra (74 a 0) e o Contagem Inconfidentes (58 a 6). No Minas Bowl, enfrentou o América Locomotiva. O Galo saiu na frente com um touchdown de retorno do wide receiver Rudá, que correu mais de 70 jardas até a end zone. O ataque do Locomotiva não conseguia executar suas jogadas e passou o primeiro tempo punteando a bola. O Galo chegou ao touchdown novamente com Thiago, João Conrado e Moreno, indo para o intervalo com 31 pontos de vantagem. 

No terceiro quarto, o ataque do América Locomotiva acordou e conseguiu uma boa campanha ofensiva, liderada pelo quarterback Gute e que terminou com o touchdown e a conversão de dois pontos do tight end Marcos Jugurta. O Galo voltou a ampliar a liderança com mais duas boas conexões do quarterback Álvaro Fadini para Thiago e Kikito. Após uma ótima campanha, o Locomotiva chegou a mais um touchdown com o wide receiver Marcelo Matos “Pokémon”. Para sacramentar a vitória e o título, Fadini lançou para Rudá, que entrou na end zone pela última vez, 50 a 14 para o Galo FA. 

A BFA 2018 

Na primeira rodada da BFA, o Galo viajou até Vila Velha e enfrentou o Tritões, que começou surpreendendo. Logo no primeiro drive, a defesa capixaba obrigou Álvaro a arriscar uma quarta descida na linha de 35 jardas, sem sucesso. Na sequência, o quarterback americano Niko Fortino levou o Tritões até a red zone e abriu o placar com um passe para o wide receiver Lucas Chagas. A defesa do Tritões estava muito bem na partida e conseguiu evitar o touchdown em três oportunidades no primeiro tempo, uma terminou em um turnover on downs e as demais o kicker Chaw acertou o field goal. A virada do Galo veio no final do segundo quarto com uma corrida do running back americano Parris Lee, 13 a 7. 

No terceiro quarto, Parris Lee começou a desequilibrar a partida e marcou mais dois touchdowns, diminuindo o ímpeto dos donos da casa, que viu seus pupilos, os irmãos Fadini, comandarem o ataque no último quarto. Rafa Fadini conseguiu seu touchdown e no final, Cirilo diminuiu para o Tritões, encerrando o jogo em 34 a 14 para o Galo. 

A partida contra o Juiz de Fora Imperadores deveria ter acontecido no dia 11 de agosto, mas o time mineiro abandonou a competição antes do início, dando vitória por W.O. para todos os seus adversários. 

Na terceira partida, enfrentou o América Locomotiva e mais uma vez venceu seu rival com tranquilidade. Liderado pelo americano Parris Lee, e pela a forte defesa, com destaque para a atuação do Marcos Bunn, Duzão e Tuleba, que permitiram raros avanços do ataque americano, o Galo venceu por 63 a 2, com touchdowns do João Vitor Queixada, Vitor Hugo “Mega” (2x), Parris Lee (3x), Álvaro Fadini e Rafael Fadini (2x). 

Contra o São Paulo Storm, o Galo não teve dificuldades para vencer o time visitante por 65 a 0. Os touchdowns da equipe mineira foram marcados por Parris Lee (5x), Pedro Médici, Paul Morrant, Rafael Fadini e Felipe Gerarde, que conseguiu interceptar o quarterback Nicolas Lobo em duas oportunidades. 

Contra a Portuguesa, o Galo abriu o placar com um belo touchdown do wide receiver Conrado, que recebeu a bola do Álvaro, se livrou de um tackles, cortou para a direita e só parou na end zone. No drive seguinte, Tuleba forçou e recuperou um fumble, deixando o ataque do Galo quase na red zone, o suficiente para Álvaro improvisar uma corrida e entrar na end zone. Sofrendo com muitos turnovers, a Portuguesa não conseguia avançar no campo e o Galo pontuava em cada erro, dessa vez com Parris Lee. 

Ainda no primeiro quarto, o quarterback Catullo passou para o wide receiver Luis Domingues marcar o primeiro touchdown dos paulistas. A Portuguesa conseguiu igualar as ações no segundo quarto, a defesa estava mais atenta ao jogo terrestre e aos passes longos, mas não conseguiu evitar um touchdown no final do primeiro tempo. Os mineiros bloquearam um punt e Rodolfo Santos recuperou a bola e correu para a end  zone, 29 a 7. 

No segundo tempo, o Galo aumentou a vantagem com o wide receiver Rudá e com Parris Lee. A Portuguesa teve seu bom momento no último quarto, quando Catullo variou bem suas jogadas e lançou para o wide recever Guilherme Jesus marcar dois touchdown, fechando a partida em 44 a 20. 

Já classificado, o Galo recebeu o Vasco da Gama Patriotas e venceu com tranquilidade. Com touchdowns do Rudá (ex-Patriotas), Parris Lee (2x), Mega, Kikito, Médici e Thiago Henrique, o Galo venceu por 59 a 0. Nos playoffs, recebeu outro carioca, dessa vez o Botafogo Reptiles, e venceu com facilidade. Com touchdowns do Parris Lee (4x), Rafael Fadini (2x), Queixada e Paul Morant, o Galo se classificou para mais uma final de Conferência contra o Tritões. 

Jogando em casa e contra um Tritões com elenco reduzido, apenas 28 jogadores viajaram para Belo Horizonte, o time atleticano não precisou de muito para vencer. O começo do jogo foi até equilibrado, duas campanhas do Galo e dois field goals do kicker Protásio, mas o reduzido elenco não aguentou por muito tempo. Parris Lee começou a aparecer e marcou seu primeiro touchdown e o defensive end Marcos Bunn aumentou a vantagem após recuperar um fumble. Antes do fim do segundo quarto, o Galo ampliou a vantagem com Rudá, Parris Lee e Mega, indo para o intervalo com a vantagem de 40 pontos. 

No terceiro quarto, o quarterback americano Niko Fortino foi interceptado pela terceira vez, agora por Paul Morant. Em um raro turnover de Parris Lee, o linebacker Holyfield recuperou a bola e anotou o touchdown para os capixabas. A resposta veio na sequência com um ótimo retorno do Parris Lee para o touchdown. Para fechar, Niko conseguiu um belo passe para Weberton diminuir a diferença, 47 a 14 para o Galo. 

Enfim, Galo FA x T-Rex 

A semifinal nacional era, sem dúvidas, o jogo mais esperado da história do FABR, T-Rex e Galo FA. Atual campeão brasileiro e detentor da maior sequência de vitórias em atividade, 32, o Galo era o time a ser batido e o Rex o adversário com maior probabilidade de acabar com a hegemonia dos mineiros. 

O Galo começou muito bem e parecia que o time ia dominar com facilidade o Rex. Mesmo pressionado pela linha defensiva catarinense, o quarterback Álvaro Fadini conseguiu um belo passe para o wide receiver Mega, que recebeu com uma mão e avançou cerca de 50 jardas, colocando o Galo no ataque. Após dois passes precisos para Rudá e Mega, Fadini correu seis jardas e entrou na end zone, 7 a 0. 

Após o início avassalador do Galo, o Rex precisava mostrar sua força e foi o que aconteceu. Em uma terceira para 5 jardas, o running back Alex “A-Train” Allen quebrou diversos tackles e avançou cerca de 40 jardas, colocando o Rex no campo de ataque. A defesa do Galo reagiu e impediu os avanços do adversário forçando o Rex a chutar um field goal de 46 jardas, convertido pelo Boddenberg, 7 a 3. 

Durante toda a BFA, o ataque do Galo se concentrou no jogo corrido com o americano Parris Lee, mas o jogador não conseguiu ser tão impactante contra a forte defesa do Rex. Percebendo isso, Fadini começou a passar para seus recebedores e conseguiu avançar aos poucos. A campanha ofensiva dos mineiros foi ceifada pelas faltas e pelo sack feito pelo defensive tackle Andrey Pereira. 

Na sequência, o Rex voltou a avançar com Allen e se posicionou na linha de 35 jardas do ataque. Com boa proteção e tempo no pocket, Bassani encontrou Marlos Reis livre na end zone para virar a partida, 10 a 7. O poderoso ataque mineiro decidiu apostar no jogo aéreo e não conseguiu avançar no drive seguinte e devolveu a bola após um raro 3 and out. 

Se o jogo corrido atleticano não funcionava, o do Rex estava a todo vapor com A-Train, que conseguiu uma corrida de 45 jardas e deixou o Rex em ótima posição. O Rex avançou até a linha de 6 jardas, finalizando o primeiro quarto. Noo primeiro snap do segundo quarto, Bassani tentou um passe e foi interceptado pelo Lucas Teodoro, que só foi parado na linha de 14 jardas do ataque pelo Allen. Agora era a vez do Parris Lee brilhar, o americano correu pelo meio, praticamente sem ser tocado, e entrou na end zone, 14 a 10 Galo. 

O momento era do Galo, a defesa impediu o avanço do Rex, que foi para o punt, retornado de forma impecável pelo americano Paul Morant, que foi parado na linha de 16 jardas do ataque pelo punter/kicker Boddenberg. A defesa do Rex voltou bem, parou o Parris Lee nos dois primeiros snaps e defendeu bem o passe do Fadini na terceira descida. O kicker Protásio foi para o field goal de 39 jardas e acabou sendo bloqueado. O Rex voltou para o ataque, mas não conseguiu avançar após três descidas. 

Fadini continuou apostando nos passes curtos e avançou aos poucos, até Parris aparecer e fazer sua primeira big play, colocando o Galo na linha de 28 jardas do ataque. Com mais passes curtos, o Galo entrou na redzone, mas Fadini errou o alvo e foi interceptado pelo safety Arthur De Lucca. 

o Rex começou com as costas na parede, mas Bassani passou para o wide receiver Matheus Barozzi, que deixou o time na linha de 38 jardas. Na sequência, o próprio Bassani correu e conseguiu avançar 12 jardas, colocando o Rex no ataque. Com pouco tempo no relógio, Bassani forçou um passe pela lateral e foi interceptado pelo Rapha Cruz. O Galo tentou o touchdown, mas o cornerback Gregory, em uma quarta descida, evitou a recepção do Mega. 

O segundo tempo foi completamente dominado pelas defesas. Rex e Galo estavam se revezando no ataque, hora um fazia uma jogada de efeito, hora o outro, mas o roteiro era sempre o mesmo, as defesas paravam qualquer tentativa de pontuação. O jogo foi o que todos esperavam, mas o Galo continuou imbatível. 

O Brasil Bowl 2018 

Qualquer semelhança entre o Brasil Bowl 2017 e 2018 é mera coincidência. Galo e João Pessoa Espectros chegaram a grande final invictos e com elencos reforçados . Jogando em casa, os paraibanos contaram com o apoio da sua fanática torcida e conseguiram entregar o espetáculo que todos esperavam. 

Dono do 3° melhor ataque da competição, o Espectros encontrou grandes dificuldades para furar o bloqueio aéreo atleticano, que teve a 2° melhor defesa da competição. O quarterback Rodrigo Dantas não tinha tempo para pensar, a defesa do Galo não dava espaço e o forte vento contrário não ajudava. O jogo corrido com os running backs Lucas Adolfo e Jonatha Carvalho era uma saída, mas não surtiu efeito. Do lado atleticano, Álvaro também encontrou dificuldades, mas conseguia bons avanços com as pernas e com passes para Medici. 

O placar saiu do zero no segundo quarto, quando o kicker Protásio acertou um field goal curto e a favor do vento. Com as defesas dominantes e ambas conseguindo anular as principais armas adversárias, o jogo corrido do americano Parris Lee pelo Galo e o forte jogo aéreo do time paraibano, liderado pelos wides Massú e Heron Azevedo. 

Na primeira grande aparição do running back americano, Lee quebrou tackles, driblou a secundária do Espectros e correu 30 jardas para marcar o primeiro touchdown da partida. O ataque do Galo engrenou e não demorou para o time chegar mais uma vez na red zone. Em uma 2° descida curta para o touchdown e com Parris no backfield, Álvaro optou pelo passe na esquerda e viu outro americano brilhar. O safety Oshay Dunmore interceptou o passe e frustrou a campanha atleticana. 

Se a defesa paraibana estava jogando em alto nível, o ataque estava em um dia péssimo. Dantas não conseguia avançar por terra ou ar, seja por causa da pressão atleticana ou por passes errados. 

As coisas mudaram na volta do intervalo, o ataque paraibano começou a funcionar e o mineiro já não oferecia tantos perigos. Álvaro estava sendo mais pressionado que o normal e foi sacado em diversas oportunidades, sendo forçado a tentar big plays em descidas longas. Em um momento de rara displicência do quarterback atleticano, que lançou uma bola sem alvo no meio da secundária, Igor Nery interceptou o passe e deixou Dantas no ataque. Com poucos avanços, o kicker Diego Aranha entrou em campo e acertou o field goal. 

Na sequência, a torcida se inflamou e o Galo devolveu a bola após um 3&out. No retorno, Heron Azevedo conseguiu chegar ao campo de ataque e Dantas, mais uma vez, conseguiu posicionar a bola para Aranha acertar mais um field goal, 10 a 6. Com a defesa dominando, o ataque do Espectros começou a usar os americanos Callus Cox e Oshay Dunmore no ataque e o efeito foi imediato. Com grandes avanços, incluindo uma linda corrida para mais de 30 jardas do Cox, Dantas estava a 5 jardas da virada, que foi concretizada com um passe para Vitor Ramalho, 13 a 10. 

Mesmo estando em um pior momento, Álvaro Fadini abriu todo seu arsenal e conseguiu avançar no campo adversário. Faltando pouco para acabar o jogo, Fadini chegou até a red zone com um passe para Conrado e entrou a bola para Parris Lee virar a partida, 17 a 13. Mesmo com pouco tempo no relógio, o Espectros tentou a virada, mas era tarde demais. Galo bicampeão do Brasil Bowl.