Criciúma Miners

O início 

Em janeiro de 2010, um grupo de cinco amigos de Criciúma descobriu que ligas regionais de futebol americano estavam acontecendo em Santa Catarina. Os amigos começaram a espalhar o esporte pela cidade e a ideia de criar um time. Os meses se passaram, o grupo aumentou e no dia 27 de novembro de 2010 surgiu o Criciúma Slayers. 

O Slayers se organizou rapidamente e em novembro de 2011 fez sua estreia. O adversário foi o paranaense UFPR Legends, que também surgiu em 2010, e a partida aconteceu na Associação Beneficente da Indústria Carbonífera de Santa Catarina, em Criciúma. Os paranaenses venceram por 40 a 14, mas acumularam experiência para o Campeonato Catarinense de 2012. 

O Catarinense de 2012 começou com uma derrota para o Itapema White Sharks, que também estava estreando em competições, por 34 a 13. Na sequência da competição, perdeu para São José Istepôs, Bárbaros do Vale, Corupá Buffalos e Joinville Gladiators. O adversário na última rodada era o Jaraguá Breakers, mas o jogo nunca aconteceu. O Breakers desistiu da competição e o Slayers venceu por W.O. 

O primeiro título 

No segundo semestre de 2012, a Federação Catarinense de Futebol Americano (FCFA) organizou a Copa Santa Catarina, que contou com a participação do Criciúma Slayers, Balneário Camboriú Lobos do Mar, Gaspar Devils e Itapema White Sharks. Para a competição, o Slayers anunciou o americano Vincent Pervis. 

A estreia na Copa SC foi contra o Gaspar Devils e os mineiros do sul conquistaram sua primeira vitória. Com um primeiro tempo impecável, o Slayers foi para o intervalo vencendo por 22 a 0. Na segunda metade da partida, o Criciúma administrou e venceu por 40 a 6. Na segunda rodada, o Slayers venceu o Lobos do Mar por 28 a 0 e garantiu a vaga antecipada na final da Copa SC. 

O adversário na final era o White Sharks, mas antes da final, era necessário definir qual time terminaria a primeira fase na liderança. O jogo foi muito disputado, foram três trocas de liderança e o jogo foi definido two minute warning, terminando com a vitória do White Sharks por 21 a 20. 

A história foi bem diferente na grande final. O Miners foi para o intervalo ganhando de 18 a 0, mas no segundo tempo a equipe do White Sharks, teve uma boa reação e marcaram 15 pontos. A equipe de Itapema teve a chance de empatar com um field goal, mas não converteu. O White Sharks ainda marcou um TD que seria o do título, mas uma falta cometida resultou na sua anulação. A partida terminou 18 a 15 e o Miners se sagrou campeão da Copa Santa Catarina. 

Temporada de 2013 

O Criciúma Slayers se preparou muito para a temporada de 2013, trouxe o americano Clifton Harris e ainda estava empolgado com o título conquistado em 2012. Na estreia do Catarinense enfrentou o Lobos do Mar e venceu facilmente por 38 a 0, com dois touchdowns do running back Big Z e Olivo, Tulipa e do quarterback Thiago, com um touchdown cada. O bom desempenho da primeira partida não se repetiu contra o Bárbaros do Vale, White Sharks, Istepôs e Corupá Buffalos. A equipe encerrou sua participação com uma vitória e quatro derrotas. O jogador William foi eleito o melhor punter do campeonato. 

No segundo semestre, disputou a primeira edição da Copa Sul, que contou com a participação do White Sharks, Lobos do Mar e Ponta Grossa Phantoms (PR). Assim como no estadual, a participação do Slayers não foi boa e encerrou a competição com três derrotas e nenhuma vitória. 

Mudança de nome 

Ao final da temporada de 2013, o Slayers mudou seu nome para Criciúma Miners, objetivando uma maior identificação da equipe com a cidade e seus moradores. Em 2014, o Miners não disputou o Catarinense e se concentrou na segunda edição da Copa Sul. Na estreia perdeu para o White Sharks e ganhou do Black Hawks (antigo Gaspar Devils) e Ijuí Drones na sequência da competição. Classificado para a final, o Miners voltou a enfrentar o White Sharks em uma final, mas dessa vez o time de Itapema ficou com o título. 

A volta para o Catarinense aconteceu na temporada de 2015 e o desempenho do time continuou ruim, perdeu os quatro jogos que disputou. Na Copa Sul, o Miners venceu uma partida, empatou com o Black Hawks, perdeu duas e foi eliminado no wildcard pelo Guardian Saints. 

2016: a melhor temporada 

O Miners evoluiu consideravelmente e fez da temporada de 2016 a melhor da sua história. No Catarinense venceu o Broqueiros duas vezes e perdeu outras duas partidas para o Istepôs. Nos playoffs enfrentou o Istepôs pela terceira vez e foi eliminado da competição. 

Na Copa Sul de 2016, o Miners fez uma ótima campanha, venceu Itajaí Dockers, Restinga Redskulls, Bulls FA e Ijuí Drones da fase de grupos. Por ter encerrado a primeira fase com a melhor campanha do grupo, folgou e enfrentou o ganhador de um dos jogos do wildcard, o Ijuí Drones, que não teve chances contra os mineiros do sul. Com touchdowns do running back Gabriel Benicá (2x), do wide receiver Mychael Marcon, do quarterback Da’Ronte Smith, do cornerback Jeferson Nunes e um field goal do kicker Rodrigo “Mortadela” Colombo, o Miners garantiu a classificação para mais uma final. 

O adversário na final da Copa Sul foi o Black Hawks. Os ataques não funcionaram e as defesas fizeram a diferença. Os dois touchdowns do Black Hawks foram feitos pelos defensores Fernando Assumpção, que recuperou um fumble e retornou para o touchdown, e Russo, que recuperou outro fumble na end zone. 

A primeira competição nacional 

Mesmo fazendo boas campanhas na Copa Sul, o Miners nunca conseguiu algo parecido no Catarinense, o que não foi diferente em 2017. O time não teve um bom desempenho e perdeu as três partidas que disputou para o Black Hawks (2x) e T-Rex. 

Após quatro temporadas disputando a Copa Sul, um torneio regional, o Criciúma Miners decidiu participar da Liga Nacional, torneio de acesso, pela primeira vez. O começo foi animador, venceu o Porto Alegre Goriilas fora de casa e massacrou o São Leopoldo Mustangs por 91 a 0, sua maior vitória até hoje. A classificação estava próxima, mas os mineiros do sul tinham o Black Hawks pela frente. A partida foi mais equilibrada que as anteriores, mas o Miners não conseguiu superar o Hawks e perdeu a quinta partida consecutiva para a equipe de Gaspar. Na rodada seguinte, viajou para Bento Gonçalves e foi eliminado da Liga Nacional. 

Em 2017, o Miners não participou do Catarinense e priorizou a Liga Nacional no segundo semestre. A campanha na Liga Nacional foi bem curta, o Miners fez dois jogos contra o Armada e Porto Alegre Gorillas, perdendo ambas as partidas. Venceu o Curitiba Lions por W.O. e desistiu da competição no dia 4 de setembro, alegando dificuldades econômicas. Com a desistência, o Black Hawks venceu por W.O. e o time está suspenso da participação na BFA e LNFA e qualquer outra competição regida ou chancelada pela CBFA, nas temporadas 2018 e 2019