Corupá Buffalos

O início 

A história do Corupá Buffalos teve início em 2007, o quando o Juliano Millnitz, um corupaense que jogava no Jaraguá Breakers, sonhava em levar o esporte para sua cidade natal. No início esse sonho parecia distante, mas com o apoio de quatro amigos, Soimar, Helton, Claus e Felipe, Juliano fundou no dia 25 de março de 2009 o Corupá Buffalos. 

Não demorou muito para o Corupá se equipar e disputar seu primeiro torneio full pad. A estreia aconteceu no dia 2 de maio de 2010, em Joinville, contra o Joinville Gladiators, atual campeão Catarinense. Como era de se esperar, o time mais experiente venceu o novato, 51 a 6 para o Gladiators. O time demorou um tempo para pegar o ritmo no campeonato e perdeu para o Timbó Rhinos, Jaraguá Breakers e São José Istepôs, mas ao contrário do jogo de estreia, o Corupá conseguiu desenvolver seu jogo e quase surpreendeu os times tradicionais do Estado. 

A primeira vitória da história do Corupá Buffalos aconteceu no dia 6 de junho de 2010, em Tubarão, contra o Tubarão Predadores. O Corupá estava evoluindo na competição e mostrou isso contra o Predadores. O Buffalos não tomou conhecimento do time da casa e venceu por 47 a 6. Na sequência, enfrentou o Gladiators mais uma vez e encurtou a distância, perdeu por 35 a 19. Nas duas últimas rodadas, venceu Rhinos e Breakers, ambos fora de casa, encerrando sua primeira campanha no Campeonato Catarinense com a quinta melhor campanha entre oito times. 

Antes de iniciar a sua segunda participação no Campeonato Catarinense, o Corupá disputou o 1º Torneio BC Futebol Americano de Praia, que também contou com a participação do Balneário Camboriú Lobos do Mar e Jaraguá Breakers. Breakers e Corupá terminaram a primeira fase com 3 vitórias e uma derrota cada, na final a equipe do Corupá Buffalos estava vencendo a partida por 14 x 0, mas a equipe do Jaraguá Breakers reagiu e empatou a partida em 14 x 14. No overtime  a equipe de Jaraguá virou e venceu o torneio. 

A primeira final 

O Catarinense começou com uma vitória em casa contra o Brusque Admirals, 39 a 6. Na segunda roda viajou para Tubarão e, pelo segundo ano seguido, não tomou conhecimento dos donos da casa. Com dois touchdowns do wide receiver Júlio, um do quarterback Helton e outros dois do  wide Thiago, o Corupá foi para o intervalo vencendo por 29 a 0. No segundo tempo o Buffalos poupou alguns titulares e deixou a partida mais equilibrada. O wide Julio marcou mais dois touchdowns, final 43 a 0 para o Corupá. Contra o Brusque Admirals, o Corupá confirmou a boa fas e venceu por 39 a 12 em casa. 

No dia 8 de maio aconteceu o jogo mais aguardado do campeonato, Gladiators e Buffalos. Os dois times marcaram 121 pontos nas três primeiras partidas e o Corupá tinha a melhor defesa do duelo, levou 18 pontos e o Gladiators 22. A defesa do Gladiators se impôs e impediu que o bom ataque do Corupá pontuasse, o touchdown do time foi marcado após uma recuperação de fumble da defesa. O jogo terminou 21 a 6 para o Gladiators. 

O Buffalos se recuperou contra o Brusque Admirals, 35 a 0, e Predadores, 62 a 7. Já classificado para a semifinal do estadual, Corupá e Jaraguá fizeram um jogo bem  aquém do potencial de ambas as equipes. O touchdown da vitória do Buffalos veio no terceiro quarto após o quarterback Helton correr até a endzone e a conversão dos dois pontos, 8 a 0. Voltou a enfrentar o Gladiators na última rodada e perdeu por 20 a 7. 

Em sua primeira partida de playoffs, Corupá e Istepôs protagonizaram uma partida espetacular. O Istepôs começou ganhando com um field goal do kicker Crema, mas o Buffalos reagiu rapidamente e virou com o touchdown do wide receiver Júlio, 6 a 3. No segundo quarto, Crema virou para o Istepôs, que foi para o intervalo vencendo por 10 a 6. 

As defesas dominaram o terceiro quarto e os ataques não conseguiram marcar. A única pontuação foi um safety sofrido pelo Istepôs, 10 a 8 para o time de São José. Toda emoção foi guardada para o último quarto, quando o running back Banjo correu para colocar o Buffalos na liderança e o wide receiver Julio ampliou a vantagem, 21 a 10. O Istepôs marcou um touchdown com Machado e converteu dois pontos com o Castro Andrade, 21 a 18 para o Corupá. O Istepôs  teve a chance de empatar ou virar, mas defesa do Buffalos fez um ótimo trabalho e impediu o avanço do ataque adversário. 

O adversário na final era o Joinville Gladiators, único time que derrotou o Corupá no campeonato. O Buffalos saiu na frente com um touchdown corrido do quarterback Helton, mas a reação do Gladiators foi rápida, o wide receiver americano Jason Tate correu aproximadamente 70 jardas para empatar a partida. Tate voltou marcar mais um touchdown corrido e Borba conseguiu uma conversão de dois pontos.  O Corupá voltou a pontuar no final do segundo quarto com o wide receiver Júlio, deixando a partida em 14 a 12 para o Gladiators. 

O segundo tempo não foi equilibrado como o primeiro, Corupá abusou das faltas e o desempenho do time caiu. O Joinville aproveitou as falhas do adversário e marcou mais três touchdowns com Tate, Marcelo Rodrigo e Borba, fechando o placar em 35 a 12 para o Gladiators. 

O primeiro torneio nacional 

Uma semana após a derrota na final do Catarinense, o Corupá Buffalos estreou no Torneio Touchdown, seu primeiro torneio nacional. O primeiro adversário foi o Ponta Grossa Phantoms, que viajou até Corupá para perder por 35 a 0. A segunda partida aconteceu no dia 13 de agosto, em Santos, contra o Santos Tsunami. Essa foi a primeira partida fora do estado de Santa Catarina e mesmo após viajar mais de 500 quilômetros, o Buffalos dominou o time da Baixada Santista e venceu por 31 a 3. Voltou para São Paulo duas semanas depois para enfrentar o Palmeiras Locomotives, mas dessa vez não venceu com facilidade. 

O Palmeiras saiu na frente ainda no primeiro quarto, mas o Buffalos virou no segundo quarto com um touchdown corrido do quarterback Helton e uma conversão de dois pontos. O Palmeiras voltou a liderança no final do primeiro tempo e foi para o intervalo vencendo por 14 a 8. O Buffalos empatou no terceiro quarto após uma pick six do Cícero e virou um field goal do kicker Júlio, 17 a 14 para o Corupá, que manteve sua invencibilidade. 

No começo de setembro, o Corupá viajou até Curitiba para enfrentar o Curitiba Predadores e venceu, mesmo tendo jogado mal.  O ataque do Buffalos bem que tentou chegar a end zone, mas as faltas e a defesa do Predadores não permitiam. O kicker Júlio acertou três field goals e garantiu a vitória do time catarinense por 9 a 6. A última partida da primeira fase foi contra o Curitiba Hurricanes em casa e com touchdowns do Dois e Dois e Júlio Francener (2x), que também acertou um field goal, o Corupá venceu por 23 a 6 e se classificou para os playoffs do Torneio Touchdown. 

A campanha do Corupá foi irretocável, venceu as cinco partidas que disputou, foi o terceiro melhor ataque e a segunda melhor defesa da competição. O adversário na semifinal foi o Vasco da Gama Patriotas, segundo colocado da última edição do torneio. 

Como era de esperar no confronto dos times com as duas melhores defesas, o jogo foi bastante equilibrado e dominado pelas defesas. O vencedor foi aquele que menos errou e o Corupá, assim como nas últimas partidas, cometeu faltas em excesso e viu o Vasco abrindo o placar logo no primeiro quarto com João, com conversão de extra point. No segundo quarto, Júlio Francener marcou o touchdown do Corupá, que não teve o extra point convertido, encerrando o primeiro tem em 7 a 6 para o Patrotas. O Buffalos teve várias chances de assumir a liderança, mas o excesso de faltas atrapalhou seu avanço. O ataque do Vasco também não estava no seu melhor dia, mas aproveitou a oportunidade que teve e marcou seu segundo touchdown com Leduc e teve sucesso na conversão de dois pontos, terminando a partida em 15 a 6 para o time carioca. 

O primeiro título 

Depois da ótima campanha no Torneio Touchdown de 2011, o Corupá Buffalos se reforçou com sete jogadores do Joinville Gladiators e o quarterback Jackson Kestring, ex-Istepôs. O primeiro jogo do ano foi contra o Bárbaros do Vale, válida pela primeira rodada do Campeonato Catarinense de 2012. O Corupá começou a partida da mesma forma que terminou a temporada de 2011, cometendo muitas faltas e erros, mas o time se recuperou e venceu por 24 a 7. O segundo desafio era contra o Istepôs e foi o reencontro entre o quarterback Kestring e seu antigo time. 

O Istepôs abriu o placar após Arthur interceptar Kestring e retornar para o touchdown. Buiu empatou a partida e Júlio Francener virou. Os dois ataques estavam inspirados e não demorou muito para o Istepôs empatar com um touchdown do Emerson Gomes e virar com a conversão de dois pontos do Felipe Andrade. No último quarto foi a vez do Júlio acertar um field goal e colocar o Corupá mais uma vez na liderança, 17 a 14. 

A vitória parecia certa, mas faltando cerca de 2 minutos para o término da partida, o Istepôs marcou mais um touchdown com Arthur, seguido de uma conversão de dois pontos do Anderson Passos. Restando 40 segundos, Kestring lançou em profundidade para Júlio, que fez a recepção e entrou na end zone, empatando a partida em 23 a 23. O próprio Júlio, que também é kicker, converteu o extra point, virando a partida, 24 a 23. 

Nas rodadas seguintes, o Corupá não teve dificuldades para vencer o Jaraguá Breakers por 28 a 0, o Criciúma Slayers por 48 a 3 e o Itapema White Sharks por 43 a 0. Na última rodada, enfrentou o Corupá Buffalos e perdeu por 11 a 7. A partida foi dominada pelas defesas e venceu o time que menos errou no ataque. O Corupá anotou um field goal com Julio e um touchdown com Thiago e foi para o intervalo com uma vantagem de 10 a 0. No terceiro quarto, Bernardo foi pressionado e acabou cedendo um safety, 11 a 0 para o Buffalos. No último quarto, o Glads partiu para cima, mas só conseguiu um touchdown com Borba, fechando o placar em 11 a 7 para o Corupá. 

O adversário na semifinal foi o Bárbaros do Vale. Com um início avassalador, o ataque do Buffalos anotou seu primeiro touchdown ainda no primeiro quarto com Thiago, mas sem conversão do extra point. O ataque do Bárbaros do Vale não estava conseguindo grandes avanços, mas sua defesa garantiu a virada após Bini interceptar o quarterback Kestring e retornar para o touchdown, 7 a 6 após o extra point. O ataque do Buffalos sentiu o turnover e começou a errar, dando espaço para o Bárbaros acertar um field goal e ir para o intervalo vencendo por 10 a 6. O Buffalos se recuperou no segundo tempo e com um touchdown do Claus e um field goal do Júlio, virou para 15 a 10 e garantiu a vaga na final do Catarinense, a segunda consecutiva. 

A final 

O jogo aconteceu na cidade de Corupá e foi marcada pelas constantes trocas de liderança. Liderado pelo quarterback Jackson Kestring, o ataque do Buffalos marcou seu primeiro touchdown com o halfback Buiu, mas o extra point não foi convertido. Do outro lado, o ataque do Istepôs foi liderado até a end zone pelo quarterback americano Tyler Evans e pelo fullback Rodrigues. Com o extra point convertido pelo kicker Crema, o Istepôs assumiu a liderança. 

A virada do Corupá veio após mais uma boa campanha do ataque, Thiago marcou o touchdown e o kicker Júlio acertou o extra point. Faltando poucos minutos para o final, foi a vez do Istepôs assumir a liderança mais uma vez com o fullback Rodrigues, seguido pelo extra point do Crema. Com menos de dois minutos no relógio, o Corupá conseguiu bons avanços, o suficiente para Júlio acertar o field goal do título, o primeiro da história do Corupá Buffalos. 

A última temporada na elite nacional 

Após uma sensacional temporada de estreia em torneios nacionais, o Corupá teve um ótimo início no Campeonato Brasileiro. Com touchdowns do Thiagão (2x), Júlio (2x), Maiewski e Claus, o Corupá venceu o Bárbaros do Vale por 46 a 0. O ataque voltou a brilhar no segundo jogo e o Buffalos não tomou conhecimento do UFPR Legends, vencendo por 45 a 3. O jogo contra o Foz do Iguaçu Black Sharks foi mais apertado, mas com o field goal do Júlio e touchdowns do Helton e Brinker, venceu por 16 a 10. 

Com uma campanha impecável na primeira metade da competição, parecia que o Corupá chegaria longe, mas o time foi freado pelo Ponta Grossa Phantoms em um jogo pra lá de emocionante. O Phantoms abriu o placar com o running back Amazonas, aumentou o touchdown do Danilo e Nêgo, com um field goal, deixou o Phantoms com 16 pontos de vantagem. 

O Buffalos reagiu no último quarto com um touchdown de corrida do quarterback Elton e a conversão de dois pontos do Tiagão. Com pouco tempo no relóagio, o Corupá avançou rapidamente e anotou mais um touchdown com Júlio Francener, mas ainda eram necessários dois pontos para empatar e ir para o overtime. Pela sefunda vez na partida, Elton encontrou Tiagão na end zone e empatou a partida, 16 a 16. 

Na primeira prorrogação o Buffalos parou o Phantoms, mas cometeu um fumble logo na jogada seguinte. Na segunda, os kickers dos dois times erram seus field goals. Na terceira, o running back  Amazonas marcou para o Phantoms e o quarterback Elton foi interceptado, vitória do Ponta Grossa, 23 a 16.  Com a derrota, o Corupá encerrou uma sequência de 11 vitórias consecutivas. Nas rodadas seguintes, perdeu para o Joinville Gladiators e Brown Spiders, e foi eliminado na primeira fase. 

O declínio – 2013/2014 

O Campeonato Catarinense foi a única competição que o Corupá disputou em 2013. Na estreia, jogou debaixo de muita chuva contra o Bárbaros do Vale. O campo pesado igualou os dois times e os ataques produziram pouco. O Corupá venceu com um touchdown do Marcão no último quarto. Na segunda partida, enfrentou o Istepôs em casa e não fez uma boa partida, principalmente pelas baixas que o elenco teve por causa de contusões e da saída dos sete jogadores do Gladiators que reforçaram o time em 2012. Vitória do Istepôs por 32 a 14. 

O Corupá viajou com 29 atletas para enfrentar o Lobos do Mar em Camboriú e aplicou o maior placar da história do Campeonato Catarinenese. Com touchdowns do Maiewski (3x), Tiagão (3x), Buiu (3x), Marcão (2x), Bruno (2x) Helton e Jorge, o Buffalos venceu por 106 a 0. No jogo seguinte, o ataque fez mais uma boa atuação e o Corupá venceu o Criciúma Slayers por 42 a 16. 

Venceu o Itapema White Sharks sem dificuldades e mais uma vez com um elenco reduzido, apenas 23 atletas. Destaque para o Júlio Francener, autor de quatro dos seis touchdows do Corupá. Mesmo com muitos problemas no elenco, o Buffalos se classificou para os playoffs. O adversário na semifinal foi o Bárbaros do Vale e o Corupá definiu o jogo no primeiro tempo, marcando quatro touchdowns. No final, o time da casa dominou a partida e venceu por 35 a 9, classificando-se para a sua terceira final consecutiva. 

Na final, voltou a enfrentar o Istepôs e sofreu com os problemas no elenco. A atuação do Corupá foi a pior da sua história e o placar mostra isso, 71 a 0 para o Istepôs. 

A temporada de 2014 começou como terminou a anterior, com o Corupá perdendo do Istepôs, mas dessa vemos o jogo teve mais equilíbrio, 21 a 0 para o atual campeão Catarinense. Ma segunda rodada enfrentou o Itapema White Sharks e venceu no overtime por 23 a 20 fora de casa. Na rodada seguinte, viajou até Joinville e perdeu para o Gladiators por 27 a 7. 

O Corupá precisava vencer o Black Hawks em casa para manter as chances de classificação para os playoffs. Com três touchdowns do wide receiver Toni, um do Helton, Jony, Júlio e Jorge, o Corupá venceu com facilidade por 51 a 0. Na última partida da primeira fase, o Buffalos enfrentou o Lobos do Mar. Ao contrário do último confronto entre as duas equipes, o Corupá não venceu tão facilmente, 21 a 0, com touchdowns do Júlio, Maiewski e Muller. Na semifinal, enfrentou o Gladiators mais uma vez e perdeu novamente. 

Copa Sul 2015

O Corupá Buffalos optou por não participar do Campeonato Catarinense de 2015 para se dedicar exclusivamente a Copa Sul. Antes da estreia na Copa Sul, um amistoso contra o Itaiópolis Xoklengs foi organizado para dar ritmo ao time. O Xoklengs estava fazendo sua primeira partida full pad e mesmo assim o jogo foi bastante disputado, terminando 28 a 28. O segundo amistoso preparatório aconteceu no dia 6 de junho e o adversário foi o São José Lycans, que também estava estreando na categoria full pad. Mais uma vez a partida foi bastante disputada, mas a qualidade foi baixa, terminando com a vitória do Corupá por 11 a 8. O terceiro e último amistoso antes da Copa Sul foi contra o Camboriú Broqueiros, que venceu por 6 a 0. 

A estreia na Copa Sul foi contra o Guardian Saints em Corupá. O Buffalos conquistou a vitória com um safety do linebacker Rodrigo e outro do Elivelton e um touchdown de 2 jardas do fullback Rafael Bilibio. O Guardian Saints tentou reagir com o touchdown do quarterback Menon, mas era tarde demais, 11 a 6 para o Corupá. A segunda partida aconteceu em Itaiópolis contra o Xoklengs e terminou com a vitória do Buffalos, 20 a 16, que teve seus touchdowns marcados pelo Rafael, Matheus e Igor. 

O Corupá recebeu o Guardian Saints no dia 20 de setembro e perdeu sua invencibilidade no torneio. O Buffalos abriu o placar com o wide receiver Nazgul, mas pouco depois o quarterback do Saints, Menon, correu e anotou o touchdown. Na volta do intervalo, o Saints dominou a partida e marcou um touchdown com Fernando logo no começo. No último quarto Menon voltou a correr e marcou outro touchdown. O Corupá tentou reagir após o touchdown do quarterback Carlos, mas era tarde, 20 a 14 para o Saints. Na última rodada da fase de grupos, o Corupá recebeu o Xoklengs e venceu sem sustos, 42 a 0, garantindo a vaga nos playoffs. 

Jogando em casa, o Buffalos enfrentou os gaúchos do Ijuí Drones e saiu na frente com uma corrida de 76 jardas do running back Igor e ampliou, ainda no primeiro quarto, com o wide receiver Victor, 14 a 0 após a conversão de dois pontos. No final do segundo quarto, o Drones marcou seu touchdown com o wide receiver Jonathan. O segundo tempo foi marcado por diversos turnovers on down do Drones e pelo abuso do jogo corrido de ambas as partes, reflexo da chuva e do campo encharcado. Sem pontuações nos dois últimos quartos, o Corupá venceu por 14 a 6 e avançou na Copa Sul. 

Na semifinal, o Corupá Buffalos recebeu o Black Hawks  e começou vencendo. O ataque do Corupá fez um ótimo drive de abertura e marcou seu primeiro touchdown com o running back Heron Souza, sem extra point. O Black Hawks reagiu com um touchdown do Emerson Junior  e virou com o field goal do kicker Carraro, 10 a 7. Restando pouco tempo para acabar o segundo quarto, o Corupá atravessou o campo com duas big plays e anotou o touchdown com Heron, 13 a 10. 

O Black Hawks virou a partida logo no começo do terceiro período. Pervis fez um belo passe para Emerson Junior, que parou na linha de jardas de 7  jardas. Dois snaps depois, o running back Franklin entrou na end zone. 17 a 10 após o extra point. O final do terceiro quarto foi marcado por uma série de fumbles, começando com o Corupá, que estava na linha de 30 jardas do ataque. Duas jogadas depois, o Gaspar sofreu o fumble e o Corupá iniciou seu drive na linha de 2 jardas, mas não conseguiu avançar após quatro tentativas. 

O ataque do Corupá começou seu drive na linha de 2 jardas do seu campo e chutou um péssimo punt após três tentativas. Jogadas depois, pela segunda vez, o Corupá começou a jogada na linha de 2 jardas, mas dessa vez Heron tratou de marcar o touchdown logo na primeira tentativa, 20 a 17 após o extra point. No final do jogo, Heron sacramentou a vitória do Buffalos com mais um touchdown, 26 a 17. 

Na final, o Corupá enfrentou o invicto Santa Cruz Chacais, que tinha o melhor ataque e defesa da competição. O Chacais começou arrasador no ataque e marcou o primeiro touchdown com o quarterback Aramins Goulart logo no primeiro drive, com conversão do extra point. O Buffalos teve a chance de diminuir a diferença, mas desperdiçou um field goal de 34 jardas. Logo na sequência, o Chacais aumentou a vantagem para 14 a 0com o touchdown do wide receiver Fernando Jackisch. 

O Buffalos voltou melhor do intervalo e sua defesa conseguiu bloquear um punt, recuperado na linha de 27 jardas do ataque. Sem muitas dificuldades, o quarterback Clóvis lançou para o wide receiver Jonnata, que entrou na end zone, 14 a 7. O Corupá continuou melhor e foi para cima. Faltando menos de dois minutos para o término da partida, o ataque estava n 4 jardas do touchdown, mas um bad snap fex o time recuar. Na terceira descida, o Clóvis correu e deixou o time na linha de uma jardas, mas o time não conseguiu entrar na end zone na quarta descida. Com o turnover on downs, bastou o ataque do Chacais correr duas vezes e gastar o relógio para conquistar o título. 

Copa Sul 2016 

O início da temporada de 2016 foi desastroso, perdeu para o Joinville Gladiators e T-Rex por duas vezes. No segundo duelo contra o Gladiators, venceu por 25 a 0 e conseguiu a vaga nos playoffs. Na semifinal voltou a encontrar o Rex e foi derrotado pela terceira vez. Com a eliminação do Catarinense, o Corupá teve três meses para se preparar para sua segunda participação na Copa Sul. 

A estreia foi contra o HP Tigers, time de desenvolvimento do Paraná HP, e terminou 42 a 0 para o Corupá. No reencontro das equipes semifinalistas da Copa Sul de 2015, o Black Hawks não deu chances ao Corupá. A partida começou com as defesas dominando as ações e a primeira pontuação aconteceu após o quarterback do Corupá ser  interceptado para o touchdown. Desse ponto em diante, o ataque o time de Gaspar engrenou e levou o time a vitória, 24 a 0. 

O Corupá se recuperou contra o Itaiópolis Xoklengs, 28 a 0, e foi para o Paraná conquistar a classificação contra o Guardian Saints, 26 a 15. No wildcard, enfrentou o Bulls FA do Rio Grande do Sul e venceu por 37 a 7, com grande atuação do quarterback Vitor Patriarcha, que lançou dois touchdowns e correu para outros dois. 

Na semifinal o adversário era um velho conhecido: o Black Hawks. O Buffalos começou dominando a partida e pontuando logo no primeiro período com o wide receiver Nazgul. O Gaspar reagiu no terceiro quarto e marcou seu primeiro touchdown com o quarterback Leandro Carraro.  O kicker Igor Henrique Ribeiro acertou um chute de 35 jardas e virou o placar para o Black Hawks, 9 a 7. O jogo continuou muito disputado, até que o cornerback Edgar Barbieri interceptou o quarterback do Corupá duas vezes e retornou ambas para o touchdown. Final, 22 a 7 para o Black Hawks. 

Copa Sul 2017 – O título improvável 

Sem disputar o Campeonato Catarinense, o Corupá se concentrou na Copa Sul e, de início, os resultados foram ruins. Os dois primeiros jogos foram fora de casa, empatou com o Guardian Saints em Curitiba, 12 a 12, e perdeu para o Itajaí Dockers em Itajaí. A próxima partida era em casa e o Itaiópolis Xoklengs era o adversário.  Para o Corupá só a vitória interessava e o time não decepcionou, venceu por 26 a 6 e se classificou com a segunda melhor campanha do grupo. 

O adversário no wildcard era o Ijuí Drones, que já tinha sido derrotado pelo Buffalos nessa fase em 2015. Dessa vez o jogo aconteceu em Ijuí/RS e o mandante não estava disposto a repetir o resultado de dois anos atrás. O Corupá começou melhor e marcou seu primeiro touchdown com o running back Tiago Oliveira, seguido do extra point do kicker Júlio Francener. O Drones reagiu no segundo período e empatou com o wide receiver Henrque Bonaldo, seguido do extra point do kicker Luís Becker. O quarterback gaúcho Uil Guterres encontrou Becker, que entrou na end zone e virou a partida para o Drones, 14 a 7. Na volta do intervalo, o Corupá voltou melhor e não deu mais chances para o time da casa. Liderado pelo quarterback Helton Erzinger, o Buffalos virou a partida e venceu por 34 a 14. 

O Itajaí Dockers foi o adversário na semifinal, mas a história desse duelo foi bem diferente do ocorrido na fase de grupos. Logo no primeiro quarto, Helton correu 8 jardas e entrou na endzone, seguido do extra point. No segundo quarto, o kicker do Corupá, Júlio, desperdiçou um field goal de 40 jardas e acertou outro de 28 jardas na sequência. 

O Itajaí esboçou uma reação ainda no primeiro tempo, o quarterback Marlon Moraes correu e marcou o primeiro touchdown dos mandantes, mas o Buffalos tratou de responder rapidamente. O quarterback Erzinger passou para Júlio, que anotou o último touchdown da primeira etapa, 16 a 6 para o Corupá. 

No segundo tempo, as duas equipes se revezaram nos turnovers. Em um dos fumbles sofridos pelo Dockers, o defensive end Rudinaldo Brito retornou até a linha de 2 jardas e deixou o ataque do time visitante em ótima posição. O touchdown não demorou, o wide receiver Jhonata Lopes, após corrida de 5 jardas, entrou na end zone e aumentou a vantagem do Corupá. O Dockers descontou com o running back Luan Santos, que correu 33 jardas até a end zone. O placar não se alterou mais e Buffalos garantiu a vaga na final da Copa Sul. Final, 13 a 23 para o Corupá. 

A final de 2017 foi atípica, os dois times que chegaram a final, Corupá Buffalos e Porto Alegre Pumpkins, se classificaram para os playoffs com as piores campanhas, mas se saíram melhor no mata-mata e chegaram a final. O primeiro quarto da partida foi caracterizado pelas trocas de posse entre as equipes. A única oportunidade de pontuação aconteceu quando o Corupá fez um bom retorno de punt e iniciou sua jogada na linha de 40 jardas do ataque. Após muitos erros, o time se viu forçado a chutar um field goal de 26 jardas, desperdiçado pelo kicker Júlio. 

O placar saiu do zero no segundo quarto após uma corrida de 30 jardas do wide receiver Júlio Francener, que também converteu o chute extra. O Pumpkins estava abusando dos erros e faltas na defesa, o que deixou o Corupá na linha de 2 jardas. Com um QB sneak, Helton Erzinger marcou o segundo touchdown da partida, seguido de mais um extra point. A recuperação do Pumpkins teve início quando o quarterback Nego Darth fez um passe de 16 jardas para o wide receiver Gabriel Fontanella anotar o primeiro touchdown do time gaúcho, que também garantiu a pontuação extra. 

O terceiro quarto foi marcado pela baixa produtividade dos ataques. No último quarto, o Pumpkins chegou até a linha de 30 jardas do ataque, mas não conseguiu avançar e devolveu a bola para o Corupá após um turnover on downs. O ataque gaúcho voltou ao campo com menos de dois minutos para o término da partida e conseguiu um touchdown com o wide receiver Pedro Gabriel “Coturno”, mas o time não converteu o extra point, graças ao bad snap do long snapper Max John Dutra. Ainda teve uma tentativa malsucedida de onside kick. Bastou ao ataque do Buffalos ajoelhar e comemorar seu primeiro título fora de Santa Catarina. 

O Retorno a Catarinense e a Liga Nacional 

A volta ao Catarinense em 2018 não foi positiva para o Corupá, o time perdeu para o Jaraguá Breakers, Itajaí Dockers e Black Hawks, em ambas as oportunidades o ataque não funcionou e marcou apenas 10 pontos. A única vitória foi contra o Tubarão Predadores, 62 a 0, mas não foi suficiente para levar o Buffalos aos playoffs. 

Após 7 anos longe de torneios nacionais, o Buffalos participou da edição de 2018 da Liga Nacional. Assim como no Catarinense, a campanha do Corupá se resumiu a uma vitória contra o Armada na última rodada e três derrotas para Black Hawks, Maringá Pyros e Brown Spiders, sendo eliminado na primeira fase.