A história do primeiro jogo feminino equipado

Acho que todos conhecem a história do primeiro jogo full pad masculino em terras brasileiras, todos os anos celebramos essa data no dia 25 de outubro e o chamamos de FABR Day. Mas e o primeiro jogo full pad feminino? Você sabe quando aconteceu?

Para contar essa história, fui atrás de algumas pessoas que fizeram parte dos eventos narrados. Sem as contribuições da Fernanda Pessanha (Bangu Castores), Tatiana Sabino (América Big Riders) e Merlin Calazans, não teria conseguido finalizar o texto.

2010: o primeiro torneio de seleções

O I Brasil Bowl aconteceu nos dias 13 e 14 de novembro de 2010 e reuniu no Estádio do América as seleções do Rio de Janeiro, Mato Grosso e Espírito Santo. As cariocas se sagraram campeãs após derrotarem as mato-grossenses por 22 a 6 e as capixabas por duas vezes, a primeira por 14 a 6 e a segunda por 41 a 0.

Esses jogos foram muito bem documentados, até para os padrões atuais, teve escalação divulgada em seu site, scout das partidas e ranking de pontuadoras. Alguns nomes bem conhecidos já estavam lá: a Mariana Martins “Man”, que já liderava todas as estatísticas, Fernanda Pessanha, Tatiana Sabino, Rachel Jacob, Bella Marzullo e Mariana Maduro.

Após a primeira convocação pra seleção brasileira da FA Feminino feita em 2009, que infelizmente não resultou em um projeto consistente e não competimos, gerou uma movimentação entre todas as equipes existentes no Brasil para passarmos a evoluir nossa modalidade. Assim como o masculino, que nasceu pro FA equipado através das seleções estaduais, buscamos percorrer o mesmo caminho. E assim, em 2010, fizemos o primeiro torneio de seleções feminino. (Tatiana Sabino, que na época era OL da seleção carioca)

Confiram algumas fotos no álbum do Flickr e no Facebook do Cuiabá Angels.

2011: o primeiro jogo equipado

As conversas para a realização da segunda edição não demoraram muito pra começar, mas dessa vez o torneio seria totalmente equipado. Marcado para os dias 12 e 13 de novembro, o torneio contou com a participação da seleção do Rio de Janeiro, um combinado de atletas que disputavam os torneios de praia, e Mato Grosso, que era o time todo do Cuiabá Angels. As seleções de São Paulo e Espírito Santo foram convidadas, mas não conseguiram se equipar a tempo para a competição.

Para Merlin Calazans, head coach da seleção carioca na época, o time “veio ainda mais forte e entrosado do que no ano anterior”. Para o coachm “pesou muito a experiência de ter um estadual de areia consolidado e a condição física e técnica das atletas do Rio”.

Os dois jogos aconteceram no Quartel do 2º Grupamento do Corpo de Bombeiro Militar no Méier. No primeiro jogo, a Seleção do Rio venceu por 14 a 8, com destaque para as atuações da running back carioca Camila Motta e para a linebacker mato-grossense Juliana Pacheco.

No segundo jogo, a Seleção do Rio voltou a vencer, desta vez por 18 a 0, com destaque, novamente, para as atuações da Camila Motta, da safety Fernanda Pessanha e para Juliana Pacheco. Com a combinação de resultados, a seleção carioca alcançou o título.  A MVP de ataque, Camila, e a  MVP de defesa, Juliana, foram premiadas com um shoulder pad feminino da Bruiser.

O Rio de Janeiro sempre teve muita rivalidade entre as equipes e foi difícil, inicialmente, unir todas por esse objetivo. Muitas, inclusive, ficaram de fora por isso. Mas a superioridade do Rio, estado pioneiro em futebol americano feminino, ficou evidente e deixando nossas diferenças de lado, nos unindo e nos entregando em campo, vencemos tudo que disputamos, sem nunca perder uma partida. Foi daí que nasceu o primeiro campeonato brasileiro de futebol americano feminino. (Tatiana Sabino)

Vejam algumas fotos desse momento histórico aqui e aqui.